Soleil

O telefone tocou. Tua voz engraçadinha soou do outro lado da linha. Que saudade eu senti. "Meu amor", você dizia o tempo todo, como se fosse só pra não esquecer que eu era, e eu sou, o seu amor.. O sol já era forte, mas agora o dia parecia ainda mais quente e brilhante. Te ouvi contar então, dessas coisas que parecem ficar ai dentro de você, querendo entrar em algum ouvido, mas que por algum motivo, não entram. Não entravam antes de eu aparecer. Eu não sabia que a falta que eu senti a vida inteira sem saber de quem era, era sua. Foram anos, e só agora eu sei. Eles ardiam aqui sem você. Bem dentro do coração que agora era calmo. Porque você o acalmava, com uma risada ou um gemidinho sem graça quando eu dizia que você é lindo. Você é, sabia? Não demorei muito tempo para perceber isso.

Não conversamos tanto quanto eu queria. Haviam muitas outras coisas que fiquei pra te contar. Enquanto você queria saber tudo, me atentei a te deixar um pouco curioso em relação a algumas coisas. Era engraçado imaginar como seu rosto ficava quando eu não completava uma frase. Ou seu sorriso quando eu me calava porque não sabia mais o que dizer ou como te explicar qualquer coisa. Ou o que você pensava quando eu não contava exatamente o que você queria saber.

Você quase sempre diz que está preocupado. Me preocupo quando você diz isso. Logico, eu sei o que se passa ai dentro da sua cabeça. Se passa aqui dentro da minha também. E isso me dá medo porque você tem medo junto comigo. Mas gosto de sempre deixar no ar que não vou desistir de você.. Você ri, como quem quer acreditar mesmo que eu não vá. Ri porque gosta de pensar que talvez a gente consiga ter a vida que a gente, as vezes sem querer, monta ao lado do outro para sempre.. Ficamos calados não sei por quantos segundos, até que você pensasse em alguma outra coisa pequena e qualquer para dizer. Fiquei feliz porque você também não queria desligar aquele telefone. Tinha sim um monte de coisas para a gente fazer além daquilo, e um monte de coisas que ontem a gente tinha deixado pra hoje, mas a gente queria a gente. A gente queria essa falta de noção de tempo que um dava ao outro. A risadinha tímida de um quando o outro tem vontade de dizer "eu te amo". As histórias que a gente conta, as brincadeiras que só a gente sabe como fazer. Quando brigo com você e você imita um cachorrinho chorando. Amo você quando não aguento mais de tanta vontade de te abraçar.. A gente não tem certeza de nada do que vem acontecendo, e nem do que pode vir a acontecer, mas a gente se gosta e se encontra, se reorganiza e se transborda juntos e nada mais importa. De repente um dos dois faz força pra dizer que precisa ir. Ainda tem muita paz dentro de mim, mas já dá saudade só de pensar em se separar, mesmo que já estejamos separados mais do que deveríamos e uma ligação não devesse ter assim tanto peso. Mas a gente carrega um ao outro no coração. Carrega o coração do outro, dentro do próprio coração. E quando a linha fica muda, o mundo faz barulho de novo, e a saudade já grita urgente bem do lado esquerdo do meu peito. O sol ainda brilhava com a mesma intensidade, e tinha o mesmo calor de antes, mas a sensação agora era de 50º, porque era claro aqui dentro também. E era impossível esconder o sorriso que meus lábios desenhavam e que iluminava meu rosto, na mesma proporção que meu coração também sorria e se acendia. De um jeito que era tão forte, que nem sombra fazia: você me deu um bom dia. O melhor deles porque você estava lá, dentro dele.

Fri, 14th Sep — 0 notes
Tue, 21st Aug — 607 notes
Tue, 21st Aug — 357,871 notes
Tue, 21st Aug — 578,504 notes
Mon, 20th Aug — 4,989 notes
Mon, 20th Aug — 20,756 notes
Mon, 20th Aug — 604,730 notes
Relief

Não havíamos marcado, prometido, ou planejado nada. Quando falávamos pelo coração, não havia tempo, frase ou hora errada. E por esse motivo faz algumas noites que tenho ido dormir com o coração alegre. O sorriso já não cabe mais no rosto. A paz que o peito carrega tem um nome. E a saudade que fica quando o tempo passa lento sem ele, arde mais do que o que sempre estive acostumada. É como se os dias estivessem mais claros apesar de tudo, a brisa mais leve e meu coração, sempre com vontade de estar feliz.

Quando a gente dá risada juntos tudo parece ser extremamente natural: nenhum dos dois quer estar em nenhum outro lugar. Ainda que o destino já tenho começado tudo dividindo os caminhos. Ainda que meu coração viva no peito dele, mas resida no meu. Ainda que eu não sinta, na pele, o apreço que a pressa apela. De repente, no meio de um sorriso ou de alguma frase, penso algo como ‘o que é que você tem que me faz assim tão bem?’. Ele tem, algum tipo de efeito, uma receita, um segredo. Ninguém mais tem. E só eu sei o quanto me despertou assim, um sentimento ma-ra-vi-lho-sa-men-te doce assistir na primeira fila, a melhor coisa do mundo entrando, sem pedir licença, na minha vida.. E eu tenho achado, assim bem de leve, quase escondidinho e em silêncio, cá dentro de mim, que é dele que minha alma precisava. E do sorriso e do carinho dele. Dos olhos e da poesia que ele faz, quando o dia inaugura claro e leve, por causa do sorriso que ele faz meu coração dar. Porque eu consigo amá-lo além da minha imaginação. Entende o que eu digo? E quando falávamos pelo coração, não havia tempo, frase ou hora errada. Não havia nada mais que pudesse importar mais do que a risada que a gente dá juntos. Ou mais do que a paz que ele deixa florindo aqui, cá dentro de mim.

Mon, 20th Aug — 2 notes
Tue, 7th Aug — 13,420 notes
Tue, 7th Aug — 69,232 notes
Gostei de você quando você me ensinou a gostar de mim.

Lifehouse

Tue, 7th Aug — 68,476 notes
Tue, 7th Aug — 35,991 notes
Tue, 7th Aug — 12,232 notes
Tue, 7th Aug — 8,820 notes
Tue, 7th Aug — 13,749 notes